Tim Maia – O Filme – Uma ode à solidão

Não é nenhuma novidade que sou fã de Tim Maia, cresci ouvindo as músicas e até hoje as escuto.

Na semana passada, depois de reunir alguns bons e velhos amigos para um chopp com salaminho, tirei o resto da noite de sábado para ver o filme e confesso: foi incrível.

Para quem já assistiu o documentário Por Toda a Minha Vida – Tim Maia, é uma ótima oportunidade para aprofundar algumas histórias, conhecer melhor alguns personagens, saber mais detalhes. Para os que não assistiram, não se preocupem, o filme conta tudo que você precisa saber sobre esse ícone do mulato power que foi o Tim Maia.

De tudo, o que mais me impressionou foi o público do filme. Como falei, fui no cinema num sábado a noite e haviam lá garotos e garotas na faixa dos 18~20 anos e que, por livre e espontânea vontade, saíram elogiando o filme, cantarolando algumas canções e rindo das histórias. Oras, num mundo onde tudo é/era Crespúsculo e Restart, fico feliz em saber que pelo menos uma parte da nova geração está no caminho certo.

Se eu puder te dar apenas um conselho, que seja este: veja o filme do Tim Maia.
Parafraseando Pedro Bial

Bob Marley e a primeira marca de maconha do mundo

Enquanto isso, muito além dos preços abusivos e da corrupção brasileira, coisas malucas acontecem.

Para os que não estão por dentro, no começo do ano os estados de Washington e Colorado, nos Estados Unidos, foram os primeiros a legalizar a comercialização e utilização da maconha para fins recreativos no país. Agora, com essa liberação, teremos a primeira marca internacional de maconha – E eles usarão o Bob Marley para promove-la.

De acordo com o jornal The Guardian, a familia do já falecido Bob Marley está trabalhando com a Privateer Holdings para criar uma empresa chamada Marley Natural.

Ficou curioso? Quer formar uma opinião a respeito?

Assista o vídeo e nos diga o que pensa.

10.000 maneiras

6A76E72B-B609-47CE-BA65-6B0C6D80B2DA

De fato, não fracassei ao tentar, cerca de 10.000 vezes.
Simplesmente, encontrei 10.000 maneiras que não funcionam.
Thomas Edison

De certa forma, este é o sentimento quando o assunto é o CervejaBem.
A pouco mais de 6 (seis) anos dávamos inicio a um projeto que ecoaria pra sempre na lembrança de todos que participaram, incluindo, obviamente, eu.

O CervejaBem sempre foi um reflexo de todos os participantes, um espaço livre de julgamentos onde publicamos nossas ideias, nossas piadas e parte de nós mesmos.

Depois de tanto tempo, tantas coisas aprendidas, tantas novas experiências vividas, não poderíamos deixar de tentar mais uma vez. No fundo, tentaremos quantas vezes forem necessárias para acertar.

Portanto, em nome de todos que aqui já passaram e todos que aqui passarão, declaro aberto a nova temporada do CervejaBem na web ou, se preferirem, CervejaBem v10k+.